19 de jan de 2016

O segredo é amar

Quem vos escreve nesse momento é uma menina acima do peso, com cabelos encaracolados (que atualmente estão na cor laranja acobreado, motivo de chacota devo te informar), que tem uma boca extremamente grande e mais uma série de coisas negativas que não me fazem diferente de você em nada, quer dizer, faz sim. Eu sou diferente, tenho o meu jeitinho e você tem o seu. 

Há um certo tempo eu tenho baixa auto-estima, que muitas vezes eu confundi com depressão, e eu nunca me senti muito bem comigo mesma. Sempre foi uma luta diária pra mim, e achei que estivesse sozinha, até conversar com meus pais e ver que eles já estavam nessa luta por mim a mais tempo. Quando pequena eu era muito gordinha, e minha mãe pegava no meu pé para que eu me alimentasse bem e me exercitasse, e eu achei que nem ela gostasse de mim durante muito tempo, até perceber que na verdade ela temia por mim. Que na verdade ela sempre teve medo do que as pessoas fariam comigo lá fora, na sociedade. Ela queria que eu me enquadrasse pra evitar certos aborrecimentos com as piadas, mas não deu certo, as piadas vieram e com elas meu desespero com a falta de amor. Alguns anos depois descobri um distúrbio, o hipotireoidismo (farei um post explicando ele pra todos vocês, prometo), ele não me deixava emagrecer como uma pessoa normal, mas tratei e hoje convivemos normalmente, até emagreci. Quando menor eu também tinha uma certa dificuldade em fazer amigos, e meu pai via o quanto isso me machucava, então passou a ser meu amigão pra toda hora. Passou-se o tempo e hoje consigo fazer milhares de amigos com facilidade, mas sei que se eu precisar meu pai estará ali, e com isso também aprendi a me orgulhar completamente da minha boca grande, do meu sorriso enorme, que puxei dele. Quando precisei eles me ajudaram muito, o amor me ajudou muito, mas mesmo assim eu ainda não me amava. Ainda odiava meu cabelo cacheado. Minha altura extrema para uma garota de quinze anos. Minha mania de roer unhas e de como sempre vou precisar colocar postiças para um evento. Eu não me sentia bem.

Minha família e eu compartilhamos um série de sonhos, e um deles é viajar. Amamos fazer isso! E queríamos ir à praia. E essa viagem aconteceu em janeiro de 2016. Bom Gab, e o que isso tem a ver com a história? Eu vou te contar agora, é só continuar lendo.

Minha paixão pelo mar foi instantânea e avassaladora, eu ainda não o conhecia e foi uma experiência incrível. Viajamos para Itacaré, na Bahia. Uma cidade pequena, e uma delícia de se explorar. Eu já esperava muito dessa viagem, e ela conseguiu me surpreender muito mais! Eu surtei quando percebi que meus cachinhos ficariam visíveis pela água salgada do mar, mas quando explorei a cidade e vi a diversidade de gente, de tanto lugar diferente, com tanta história pra contar e com tanto estilo diferente, fiquei em choque. Como assim ninguém aqui vai me julgar pelos cabelos indomáveis? Como assim, eu posso usar biquíni independente da minha numeração de roupas? É verdade que eles são felizes sem julgamentos? E a resposta pra tudo isso foi sim. Fiquei numa energia tão boa lá, as pessoas eram simpáticas independentemente dos meus cabelos ou roupas, elas só transmitiam aquilo que elas tinham, felicidade. Mas se elas transmitem aquilo que sentem, o que eu transmitia aos outros então? Uma felicidade forçada? Eu era uma mentirosa? Bom, quase. Eu ainda não me sinto bem com meu cachinhos, então estou pensando em alisá-los e quem sabe cortar num estilo Miley Cyrus? Eu não me sinto totalmente confiante em usar um cropped, mas posso começar a me exercitar e me amar ainda mais. O fato é que nenhum dos meus defeitos desapareceu numa simples viagem, eu só passei a me amar mais, como tenho tentado ao longo dos anos. Não quero que o sentimento de amor que o mar me trouxe para 2016 e todo o restante de minha vida vá embora só porque voltei pra minha casa, onde há problemas, onde os meus defeitos ficam evidentes. Quero esse amor pra sempre, e eu decido que ele fica, inclusive, já ficou. Veio comigo dentro da mala o danado! 

O segredo da vida é amar, e eu só consegui me expressar dessa maneira depois de assistir o vídeo da Rayza hoje e ver que eu estou certa e qualquer um que diga o contrário, está fazendo papel de idiota. Então aproveita que ainda estamos no comecinho de 2016 e faz dele o ano do amor na sua vida!